Olhares Nomadas | Nomad Eyes | Miradas Nómadas

(projecto audiovisual social) olhar es desde dentro / seeing is from within

Os quiero, os respeto, os necesito (15M desde dentro) DOCUMENTAL

Filed under cine, documental, encuentro, olhares nomadas, video by nomad eyes on 08-09-2011

SINOPSIS:

“Os quiero, os respeto, os necesito”. Con estas palabras inicia sus intervenciones Román, octogenario madrileño que llevaba 50 años esperando un cambio real. El 15 de Mayo de 2011, en la puerta del Sol, ha amanecido junto a una generación en un despertar colectivo que le ha sacado de su impotencia y frustración. “Lo llaman democracia y no lo es”. Los indignados han tomado la plaza y han comenzado un movimiento que tendrá expansión mundial. Una generación de jóvenes que parecia adormecida toma las plazas de España y mas tarde realiza marchas por las carreteras y pueblos de la peninsula, revindicando una democracia real. Un movimiento asambleario que se esfuerza al máximo por conseguir el consenso y practicar la horizontalidad. Realizado por varios de los integrantes de la comisión de audiovisuales de la acampada, este es un documental desde dentro. La “Spanish revolution” desde el punto de vista de sus protagonistas y una generación bisagra que vio truncados sus sueños y se une hoy a las nuevas generaciones para brotar en un movimiento que propone un cambio de paradigma, donde cada uno se reconoce como persona.

ESTAMOS EN FASE DE EDICIÓN, POR AHORA AQUI ESTÁN DOS TEASERS:


(ENGLISH)

“I love you, I respect you, I need you” (15M from inside)   A DOCUMENTARY FILM

SINOPSIS:

“I love you, I respect you, I need you”. With these words, Roman began his speech. This is the story of a generation who waited for change to come all his life, to finally find it in the squares of Spanish Revolution, as the young generation wake up from it`s slumber into moral indignation. On May 15, 2011, thousands of young people, previously assumed to be asleep and indifferent, swarmed Puerta Del Sol square and opened a door into a new society – to be joined by their elders.The “15-M” Movement or “Spanish Revolution” has lead many spaniards like Roman away from the frustration they suffered for so many years. This is the story of a collective awakening. The “Indignant People” as they call themselves, have taken Spain’s main squares and started a revolution that has been extended worldwide. Yes, they camp, that’s how they organise themselves into commissions and a daily assembly focused on achieving consensus through a horizontal system that proposes a change of paradigm. “They call it democracy, and it´s not” “People from Europe rise up!” “They don’t represent us” The squares are listening to all their protests. Directed by a group of members from the Audiovisual Commission of the 15M Movement, this documentary reveals the inside of the revolution through their own protagonist and people like Roman, who falls in love with this young generation that has decided to change the world.

AVANZANDO CON LA EDICIÓN.

AQUI unos momentos del documental:

YOU TUBE: http://www.youtube.com/user/olharesnomadas

FACEBOOK:   http://www.facebook.com/profile.php?id=100003054677188

TWEETER:   @NomadEyesSol

E-MAIL:   olharesnomadas@gmail.com

SI QUIERES PARTICIPAR CONTACTA

O APORTA DIRECTAMENTE EN NUESTRO “VERKAMI”

UNA FORMA DE FINANCIAMIENTO INDEPENDIENTE Y COLECTIVO

QUEDAN YA POCOS DIAS

http://www.verkami.com/projects/866-el-15m-desde-dentro-br-os-quiero-os-respeto-os-necesito

Historias nuestras, un poco de todo

Filed under documental, encuentro, naturaleza, nature, olhares nomadas, viajar, video by nomad eyes on 15-08-2012

Nuevo capítulo de las Miradas Nómadas” en “Garganta la Olla“ (wikipedia), realizado por oriundas del pueblo de edades comprendidas entre los 7 a 42 años, en un taller de 5 dias realizado en la semana cultural, en colaboración con el colectivo “agranda la olla”.

Sábado 9 ABRIL | 15h | cinema SÃO JORGE – No Panorama – Mostra do documentário português _____ ______ > Olhares Nómadas Saharauis apresentam:

Filed under Uncategorized by nomad eyes on 31-03-2011


__
Depois da projecção haverá um debate.
_


“O terceiro olhar”, do Projecto Olhares Nómadas, foi filmado por mulheres do campo de refugiados Saharáui de Dajla (Argélia), num workshop, durante os 5 dias do FISAHARA 2010 (Festival Internacional de Cinema do Sahara).
Acreditando que nas entranhas do corpo social existe uma potencialidade de migrar o olhar, lançando laços de comunicação entre diferentes pontos de vista, Olhares Nómadas propõe revitalizar as raízes de diferentes comunidades, junto aos seus protagonistas, com a câmara como ferramenta para comunicar e desenvolver o seu próprio olhar como motor social. Por isso propõem a realização de filmes através de workshops de vídeo desde dentro das comunidades, criando documentários com os participantes envolvidos em todas as etapas do processo.

No esforço de avançar para um espectrovisível mais horizontal, construído por múltiplas realidades.
Ao longo dos cinco dias, umas famílias abrem as suas casas, sua cultura, músicas, histórias, reivindicações, sonhos e quotidiano para o mundo. Filmam, falam, cantam, … na esperança da mudança.

No campo de refugiados de Dajla, há 20 anos vivem milhares de saharáuis, numa espera forçada por um referendo pela independência do seu país, que nunca acontece. Vivem no “deserto do deserto”, com escassez de água, eléctricidade e alimentos.

 Podes ver o filme completo já aqui:
 
 



Alex, Joana e Juliana

Orientadores dos

Olhares Nómadas Saharauis

Pessoas que brincaram

Filed under comunidad, documental, encuentro, olhares nomadas, Uncategorized, video by nomad eyes on 03-01-2011

Olhares Nómadas“  e  ”comuNIKacção

apresentam:


“Pessoas que brincaram”

O novo capítulo dos autos locos, realizado numa oficina de carrinhos e vídeo de dois fins de semana, na Arrentela. Podes ver a seguir em três partes:

Miradas Nómadas en Lavapiés:

Filed under Uncategorized by nomad eyes on 18-09-2010

Después de dos semanas de talleres itinerantes por el barrio de Lavapiés, construyendo carritos y reconstruyendo las memorias de transeuntes de aqui y de allá, surje este documental, realizado a partir de las grabaciones hechas por los participantes del Taller, en su mayoría niñ@s y jóvenes.
Esta 1ª versión fue editada en tres dias.
.
Participaron:
Jazira, Lucia, Aroa, Pedro, Rafael, Monzil, Alex, Jaime, Ahmed, Jesus, Christian, Jonathan, Abdulae, Ali, Carlitos, Maripaz, Juanito, José, Paco, Oriol, Roger, Daniel, Tobias… y otr@s anónimos, o por identificar …

Música:

Carlitos Wey, Mc Safa

.
Un proyecto de:
Miradas Nómadas en Lavapiés (Laura Bañuelos, Ismeni Espejel, ?lex)
En colaboración con:
Asociación de vecinos “La Corrala”
Centro Social Autogestionado “La Tabacalera”  www.latabacalera.net
.
Fotos:
Fernado Campos, Sergio Ballester
.
Agradecimientos:
Fernando, Manuel, Ciril, Conchi, Keller, Casino de la Reina, Carlitos Wey, Sergiofamilia Montoya, Escalera Caracola,Contacto Cultural
.
Este es el documental integro (en tres partes):
.
.



(Estos son clips de los documentales realizados en Lisboa, en colaboración con el “c.e.m – centro en movimiento” y “Contacto Cultural”)


En estos talleres nómadas ( se realizarán itinerando por diferentes locales de Lavapiés) os proponemos construir los coches, y al mismo tiempo
l@s jóvenes filmar el proceso de construcción e investigar y documentar las memorias de los adultos, sobre este juguete.
Así, l@s mayores viajarán al tiempo de l@s jóvenes, y l@s jóvenes al de los adultos.
Las imágenes serán editadas también por los participantes acabando con una carrera final con todos los carritos y la proyección de los documentales.


Agradecemos que lo difundáis cuanto antes, ya que comienza este Jueves 24 de Septiembre

Es gratuito y para todas las edades

Calendario:

SEPTIEMBRE:
Juev  23 20h      C.S.A.La Tabacalera   PRESENTACIÓN Proyección de trabajos anteriores
Vier  24   17-20h  C.S.A. La Tabacalera    C/Embajadores 51    TALLER  Construcción y vídeo
Sab   25  12-14h  C.C. Casino de la Reina   C/Casino 3                   TALLER Construcción y vídeo
Dom 26  12-14h   La Corrala                            C Lavapiés 38 TALLER Construcción y vídeo
OCTUBRE:
Sab    2   17-20h  C.S.A. La Tabacalera                                                  TALLER Construcción y vídeo
Dom  3   12-14h   La Corrala                                                                       TALLER Construcción y vídeo
Dom  3   18-20h   Plaza Cabestreros                                                     CARRERA FINAL
Juev   7   20-21h  C.S.A. La Tabacalera                                            PROYECCIÓN  Vídeos realizados

Saludos y aparezcan !!!
Miradas Nómadas en Lavapiés
(Laura Bañuelos, Ismeni Espejel, ?lex)
Actividad organizada por Miradas Nómadas en Lavapiés, C.S.A. La Tabacalera y La Corrala A.A.V.V.

Nomad Eyes in 50th KRAKOW FILM FESTIVAL

Filed under Uncategorized by nomad eyes on 25-05-2010

To Meet You

No Ha Mia | Documentary | ESP/POR/LAO | 27′

Will be shown in SHORT FILM COMPETITION

| 1st June | 19:00 | Short film competition 4

| 4th June | 12:30 | Short film competition 4

FOR MORE INFO:

LINK TO THE FESTIVAL

Filed under akha, asia, cine, comunidad, comunity, corto, doclisboa, documental, encuentro, indigena, laos, naturaleza, nature, olhares nomadas, phongsaly, television, tribu, trip, viajar, video by nomad eyes on 08-10-2009

Olhares Nómadas no “Panorama”

4ª MOSTRA DO DOCUMENTÁRIO PORTUGUÊS


“No hia ma”

12 de Abril | 21h30 | Cinema São Jorge

Olhares nómadas propõe habitar e conectar realidades, num esforço de alargar o espectro de entendimento dentro e entre as comunidades e culturas. Integrando o processo criativo no quotidiano das pessoas.

Uma viagem de 8 meses, do Japão até a Índia. De bicicleta, de camioneta, de comboio, a pé, á boleia, de canoa, … ao encontro de comunidades, tribos, mosteiros, ong´s, aldeias e cidades.
O encontro, as suas sementes, raízes e potenciais …

Nomad eyes proposes to inhabit and connect realities, in an effort of extending the spectrum of understanding inside and between the communities and cultures. Sharing the process of filmaking and joining this to the daily life of the people involved.

A trip of 8 months, from Japan till India. By bike, bus, train, walking, hichiking, canoa, ferries, … Meeting with different communities, tribes, monasteries, ngo´s and individuals.
The meeting, it´s seeds, roots and potentials …

Con tacto:

olharesnomadas@gmail.com


No hia ma

Filed under akha, asia, cine, comunidad, comunity, corto, doclisboa, documental, encuentro, indigena, laos, naturaleza, nature, olhares nomadas, phongsaly, television, tribu, trip, viajar, video by nomad eyes on 21-09-2009

<param name="src" value="http://olharesnomadas.blog.com/wp-admin/” /><embed width="800" height="600" type="application/x-director" src="http://olharesnomadas.blog.com/wp-admin/” sound=”true” progress=”true” autostart=”true” swstretchstyle=”none” swstretchhalign=”none” swstretchvalign=”none” />


Doc, Mini-Dv (2ccd-bluefree), 27 Min, Lao.

Este filme foi projectado nodoclisboa_09

VII Festival Internacional de Cinema
Na secção “Competição nacional- Curtas” e no

Krakow International Film Festival



Sinopse

Os Akha são uma tribo indígena originalmente da Mongólia em constante migração. Som Thone é um rapaz akha, que a os 22 anos foi estudar a capital, Vientianne. Acabados seus estudos vai trabalhar na oficina de turismo onde nos conhecemos e decidimos ir juntos até a sua aldeia natal. Uma viagem onirica sobre o encontro.

“As vezes eu serei o teu guia, as vezes tu serás o meu guia” Som Thone

Este filme é um dos 8 filmes do projecto “Olhares nómadas em Ásia”, projecto audiovisual que propõe habitar e conectar realidades, num esforço de alargar o espectro de entendimento dentro e entre as comunidades e culturas. Integrando o processo criativo no quotidiano das pessoas. Uma viagem de 8 meses, do Japão até a Índia. De bicicleta, de camioneta, de comboio, a pé, á boleia, de canoa, ao encontro de comunidades, tribos, mosteiros, ong´s, aldeias e cidades.

O encontro, as suas sementes, raízes e potenciais …

The Akha are an indigenous community original from Mongolia in constant migration. Som Thone is a young akha. When he was 22 years old he went to study in Vientianne, the capital of Lao. After finishing his studies he started working in the tourist office of Phongsally, the nearest city to his village. We met there and decided to go on this journey together, to his native land. A dreamlike trip tale about the meeting itself.

“Sometimes I´ll be your guide, sometimes you´ll be my guide” Som Thone

This is one of the 8 films of “Nomad eyes in Asia”, an audiovisual project proposing to inhabitate and connect realities, in an effort of extending the spectrum of understanding inside and between the communities and cultures. Sharing the process of filmaking and joining this to the daily life of the people involved. A trip of 8 months, from Japan till India. By bike, bus, train, walking, hichiking, canoa, ferries, … Meeting with different communities, tribes, monasteries, ngo´s and individuals.

The meeting, it´s seeds, roots and potentials …

Realização/Direction: ?lex

Edição/Edition: Anouk Devillé/?lex

Tradutor & guia/Translator & guide: Som Thone

Som/Sound: Andre Castro/Manuel Campos/Miguel Cabral

Produção/Production: c.e.m/Terratreme/Optec

Equipa/Team: ?lex, Anouk Devillé, Som Thone, Miguel Cabral, Ainhoa Vidal, André Castro, Andre Tasso, Alban Nicholas Haal, Max Rosenheim, Cristina Vilhena, Sofia Neuparth.

Obrigado/Thanks: Alejandro Perez, Ana Rosenheim, Bianco Akha village, Constança Givone, Escalera Karacola, Familia Bi, Fernando Campos, Gonçalo Tocha, Helena Dias, Ibercin, Isaak Erdoiza, Joana Louçã, Laura bañuelos, Mªjoana Figueiredo, MªTeresa García, Patricia Leal, Paula Gallego, Paula Petreca, Paulo Robalo, Rita Bargão, Victor Gomez, Violeta Buckley.

Con tacto: olharesnomadas@gmail.com


Sinopse longa:

Os Akha são uma tribo indígena originalmente da Mongólia. Gráficos Genealógicos mostram 70 gerações Akha, colocando o início da sua civilização, pelo menos 1500 anos atrás. A agitação civil levou-os a migrar praticamente toda a sua existência, embora eles acabaram sitiados em Yunan, província do sudoeste da China, durante um período significativo de tempo. A influência chinesa e tibetana redefiniu a sua cultura. A guerra, uma vez mais, levou-os a viajar para o sul, deixando vestígios da civilização Akha na Birmânia, Tailândia, Laos e Vietname. O nomadismo tornou-se parte do seu problema inerente, já que estes países não aceitam facilmente esses refugiados, e isto conduz a uma ruptura na cultura e linguagem. Phongsaly é o extremo norte de Laos, fronteira com Yunan. Tribos originárias da china, Tibete e Birmânia convergem cã, longe do circuito turístico, da electricidade, os hospitais e as estradas. A situação deste povo esta a mudar drasticamente, as autoridades estão a fazer um plano que visa congregar varias aldeias em núcleos, abandonando os remotos lugares nos que agora vivem, tendo maior acesso a médicos, agua, electricidade … mas deixando a questão de identidade de cada etnia em perigo, ao mesmo tempo que surgem novos problemas como a malaria.Som Thone é um rapaz akha, que a os 22 anos foi estudar a capital, Vientianne. Acabados seus estudos vai trabalhar na oficina de turismo de Phongsaly, onde nos conhecemos e decidimos ir juntos até a sua aldeia natal. Uma hora de camioneta e outra de canoa ate chegar a primeira comunidade, onde vivem as tribos que gostam de viver perto do rio. Seis horas de caminhada ate o topo da montanha e encontramos antigos vizinhos dele que nos levam ate a sua aldeia. Montes de crianças com triciclos de madeira sobem e descem.A aldeia esta por acima das primeiras nuvens que nascem com o sol. O dia começa bem cedo para as mulheres que já estão a limpar, dar de comer aos porcos e as galinhas , moer o grão, cozinhar e ir trabalhar a terra (elas tratam de quase tudo) Eu convido a eles a filmarem mas não querem, escolhem o seu local preferido para eu fazer lhes uma fotografia e é então que este filme se torna uma viagem-conto-onirico sobre o encontro. O encontro entre mi e Som Thone e a aldeia Akha. O encontro de som Thone e a familia Akha com a camara, como uma forma de viajar a outra realidade, como um espelho nele que te ves pela primeira vez. Assim, este filme reflecte como os encontros são leiçoes de vida nas que todos somo guias dos outros pela simpleza de sermos diferentes.

As vezes eu serei o teu guia, as vezes tu serás o meu guia Som thone

No hia ma

Filed under akha, asia, cine, comunidad, comunity, corto, doclisboa, documental, encuentro, indigena, laos, naturaleza, nature, olhares nomadas, phongsaly, television, tribu, trip, viajar, video by nomad eyes on 20-09-2009

Mini film 9´43´´

O encontro, as suas sementes, raízes e potenciais …

Filed under Uncategorized by nomad eyes on 19-09-2009


Muitas realidades gritam por uma existência comunicativa mais ampla.
Realidades invisíveis, abandonadas, exploradas ou ignoradas.

A compreensão da multiplicidade na sociedade humana precisa de olhar e escutar desde dentro das realidades.

Num esforço de alargar o espectro de entendimento dentro e entre as comunidades e culturas.

Durante oito meses (Julho 2007 – Fevereiro 2008) o meu projecto de vida foi viajar do Japão até a Índia, registando com a câmara as diferentes realidades nas quais encontrei uma vontade de comunicar histórias, necessidades e problemáticas, assim como de partilhar a alegria e percepção do mundo.

De bicicleta, de camioneta, de comboio, a pé, á boleia, de canoa, de ferry… ao encontro de comunidades, tribos, mosteiros, ong´s, aldeias, grandes cidades…
integrando o meu   processo criativo no quotidiano das pessoas.

Do material filmado surge esta proposta: a criação de 8 peças audiovisuais onde iremos conviver com os seus protagonistas no seu encontro com a câmara.

Apresentação

Este projecto de oito filmes, propõe ir ao encontro de oito realidades do continente Asiático, sem recorrer a um registro de reportagem.
Iremos-nos aproximar camada por camada das questões que levantam estas realidades frágeis e marginais. Comunidades isoladas do resto da sociedade, que habitam numa fenda entre as suas tradições/raízes e o avanço violento do progresso; num processo de desagregação da sua identidade.

Como é que se reflecte a historia de um país no quotidiano de cada pessoa?

Como as relações de poder sócio-políticas  transformam o tecido das relações humanas?

O não entendimento destas comunidades fragmenta este tecido.
Como tornar possível o encontro (relação) sincero, pessoal e íntimo com estas pessoas, indo ao encontro pelo próprio encontro, sem ideias preconcebidas?
Fazendo da relação directa, a forma de me relacionar, explorando contrastes e riquezas particulares/especiíficos de cada lugar.
Como lidar com realidades extremas e aparentemente exóticas, confrontando-nos com a nossa própia identidade e forma de ver ao outro?
Como desmitificar os tópicos? Partilhando o dia a dia, estando no seu quotidiano, participando, implicando-me.

A exploração de uma comunidade (tibete, nomad roots), a solidão, a incomunicação (Mr Ann), o espaço interior e exterior …
Qual é o espaço de comunicação/intimidade e qual o espaço público, tentar quebrar as fronteiras entre as realidades percorrendo elas e

O encontro na intimidade, o tempo das coisas, a distancia.
Levados numa pulsão pela partilha
O acontecer em frente da câmara e não ir a procura

… ate estarmos mesmo dentro com as pessoas, em confronto.

Falling the live of the film

Filmando, fotografando, escrevendo, falando, aportando ideias, propostas, ao microfone, em performance, na música…

Nesta era da super informação na que as nossas realidades cada vez estão mais dominadas pelo “virtual”, corremos o risco de perder a relação directa entre as pessoas.

A mesma tecnologia que fragmenta a comunicação pode ser uma ferramenta para conectar realidades.

Quais
são
as
urgências
de

h
o
j
e

?



Os dois primeiros (Nomad roots e No hia ma) já estão editados.
Os 6 restantes estão em fase de edição. Todos pertencem a uma mesma lógica de visão, cada um é uma peça independente.

Podendo ser apresentados em conjunto ou independentemente.

From July 07 till February 08,
I was travelling with my filming equipment from Japan till India,
with the intention to transform my way of looking towards a nomad way,
by sharing the procces of filmaking and joining this
to the daily life of the people involved.


By bike, bus, train, walking, hichiking, canoa and ferries …
Meeting with different communities, tribes, monasteries, ngo´s and individuals, giving them the camera as a way to encourage them to make films from their point of view.

In an effort to enlarge the aspect ratio of understanding
between cultures and realities.

I found comunities and individuals that had the need to tell urgent stories.

We lived together, filming and sharing the process of filmaking.

In the mist of this super-information era, we are at risk of loosing the real contact with each other, the real meeting can be living with each other and getting into a process of understanding each other´s ways of practicing life, through action, feeling, thinking, perception and comunication.

which
are
the
urgencies
of
t
o
d
a
y

?

In a poetic way, the spectator will be submerged in the reality of each comunity´s daily life. Through their eyes, creating a strong personal connection in the way the camera is present, we will embrace the urgencies and needs of the community.

Subscribe to RSS Feed Rss